Cores como o amarelo, o laranja e o vermelho transmitem alegria e vivacidade e são a cara do verão. Mas não é só na estação do sol que elas são bem-vindas. A energia das tonalidades vibrantes tem seu lugar na decoração da casa durante todo o ano.

Amarelo e azul dão um toque de inusitado na cozinha projetado pelo escritório Botti Arquitetura    Foto/Henrique Queiroga

De acordo com as arquitetas Natalia Botelho e Paola Corteletti, da Botti Arquitetura, para compor a decoração com as cores vibrantes, primeiramente, é preciso a identificação com essas tonalidades. “As cores quentes remetem ao sol e ao fogo, então o primeiro passo é uma identificação pessoal. Como são cores fortes, para os menos ousados, é importante que isso entre em pequenos detalhes. Já para os mais arrojados, elas podem entrar numa parede inteira da cozinha, por exemplo”, ressaltam as profissionais.

Pontos precisos de cor já são suficientes para trazer alegria ao projeto    Foto/Henrique Queiroga

Segundo Natalia e Paola, na cozinha, as cores quentes podem compor detalhes como banquetas da bancada americana ou no revestimento da parede. Já na sala, elas podem entrar em um tecido amarelo para o pufe ou no abajur laranja num canto da sala contrastando com um móvel mais leve. “Isso para os menos ousados, mas que gostariam de ter esses pontos de iluminação dentro de casa, pois é isso que elas transmitem: luz e alegria”, recomendam.

Para a arquiteta Fernanda Andrade, as cores quentes são perfeitas para criar ambientes mais aconchegantes. “Por serem cores vivas e estimulantes, ao serem usadas em ambientes sociais da casa, elas criam ambientes acolhedores, aconchegantes, confortáveis e que favorecem os relacionamentos pessoais e familiares. Expressam vitalidade, movimento e excitação”, afirma.

Para a arquiteta Fernanda Andrade, as cores vibrantes favorecem os relacionamentos pessoais e familiares.  Foto/Jomar Bragança

Fernanda ressalta que a harmonia e a correta proporção das cores possibilitam um ambiente mais equilibrado. É importante não errar “na mão” na hora de inserir amarelos, laranjas e vermelhos nos ambientes. “Por serem cores impactantes e fortes, o ideal é usar junto com cores neutras e tranquilizantes, como cinza, branco e bege. Quando usadas em excesso, causam cansaço visual e inquietação”, pontua.

Além da mescla com uma paleta neutra, é possível, também, fazer uma combinação diferenciada com outros tons, como o roxo. De acordo com Natalia Botelho, o roxo mais seco, ou violeta, quebra a vibração do laranja e do amarelo e pode fazer uma linda harmonização. “Claro que vai depender do perfil de cada um. Tem toda uma psicologia envolvida nesse quesito, que nós fazemos, e permite a combinação dessas cores de acordo com cada cliente. Um exemplo legal sem deixar que o ambiente fique pesado, é utilizar a cor vibrante em uma parede só, como atrás da pia da cozinha. Não pesa, não há briga na combinação de cores e traz um novo ar ao ambiente”, relata.

As arquitetas Natália Botelho e Paola Corteletti    Foto/Henrique Queiroga

Para quem tem receio de utilizar tonalidades mais vibrantes dentro de casa, fica a dica das arquitetas: “Cozinha, áreas sociais da casa, sala de jantar e, até mesmo, escritório, dependendo da profissão da pessoa. O amarelo, por exemplo, instiga criatividade”, afirmam.

Neste ambiente assinado pela arquiteta Fernanda Andrade, o mobiliário é destaque na composição    Foto/Jomar Bragança

Investindo em detalhes, pouco a pouco, as cores vibrantes podem trazer uma nova atmosfera à casa. “As cores quentes não precisam dominar o ambiente, mas podem ser usadas apenas em detalhes da decoração, como adornos. Elas podem ser usadas com ousadia, mas com harmonia”, encerra Fernanda Andrade.