O Teatro do Centro Cultural Minas Tênis Clube recebe o espetáculo musical Encontro entre dois rios – Zé Carlos canta Pixinguinha e Lupicínio Rodrigues, dedicado às obras do carioca Pixinguinha [1897-1973] e do gaúcho Lupicínio Rodrigues [1914-1974]. A única apresentação será nesta quarta-feira, 5 de setembro.

O show tem  direção geral do cantor Zé Carlos e a direção musical é de Lincoln Meireles que também toca piano e escaleta. No palco estarão também os músicos Alexandre Viana [sax e acordeom], Hudson Brasil [violão e bandolim], a cantora Vânia de Morais e os bailarinos Leo Wenceslau e Isabella Mendonça.

Reconhecido como um dos mais importantes compositores da música brasileira, Alfredo da Rocha Vianna Filho, Pixinguinha, é considerado um dos mais elegantes e virtuosos músicos do país. A sua maior contribuição foi para a consolidação do choro, definindo como deveria ser tocado e apresentado.

Pixinguinha integra com Donga e João da Baiana a chamada Trindade da Música Brasileira.

Em 1922, um fato triste ocorrido com Pixinguinha e seu grupo de choro “Os oito batutas” inspirou a composição “Lamento”. Houve um show no Copacabana Palace Hotel e,  por serem negros, não puderam entrar pela porta da frente do prédio, e eles eram os homenageados da ocasião. O famoso choro “Carinhoso” é a mais popular canção de Pixinguinha, que recebeu letra de Braguinha, conhecido como João de Barro.

Foto/Mahiba Grisolia

As canções de Lupi, como era chamado o compositor Lupicínio Rodrigues, são as famosas músicas de dor de cotovelo. Boêmio, o gaúcho era constantemente abandonado por suas companheiras. Mas ele tem composições que exaltam a alegria. Uma delas é o hino do Grêmio, time de futebol de Porto Alegre.

O samba-canção mais famoso de Lupi é “Nervos de Aço”, gravado pela primeira vez em 1947, pelo cantor Francisco Alves, que também registrou a obra–prima do gaúcho, “Cadeira vazia”.

“Nervos de aço” entrou na história recente da política, quando o ex-deputado federal do PDT Roberto Jefferson foi depor na investigação da CPI dos Correios com o olho roxo, em 2005. O político explicou que o ferimento foi por conta de um acidente, sofrido enquanto buscava uma coleção de Lupicínio numa estante, pois queria ouvir a referida canção que fala de alguém “sem sangue nas veias e sem coração”.

Serviço:

Mestres da Música

Data: 5 de setembro de 2018, quarta-feira, às 20h30
Local: Teatro do Centro Cultural Minas Tênis Clube. Rua da Bahia 2244, Lourdes, Belo Horizonte/MG
Classificação: livre.
Ingressos: R$ 60 [inteira] e R$ 30 [inteira]
Funcionamento da bilheteria: segunda a sábado: 12h às 20h. Domingo: 12h às 19h.
Mais informações: 31  3516-1360.
Estacionamento com acesso interno: entrada pela rua da Bahia, ao lado do Teatro. Valores: R$ 12, para sócios, e R$ 24, para não sócios.

Redes sociais oficiais da Cultura do Minas:
Facebook: /mtccultura
Instagram: @mtccultura