O maestro Isaac Karabtchevsky é o regente convidado da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, para os concertos dos dias 23 e 24 de agosto de 2018, na Sala Minas Gerais.

Diversidade e beleza compõem o programa que apresenta ao público o segundo movimento (Lento) da Sinfonia nº 6, “Sobre a linha das montanhas”, de Villa-Lobos, o Capricho italiano de Tchaikovsky e a Segunda Sinfonia de Brahms, uma das mais marcantes do Romantismo alemão.

Nas palestras sobre obras, compositores e solistas que acontecem antes das apresentações, o público terá os comentários do maestro Isaac Karabtchevsky. Estes concertos são apresentados pelo Ministério da Cultura e Itaú por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Sexta Sinfonia de Villa-Lobos 

Heitor Villa-Lobos (Rio de Janeiro, 1887-1959)

A música de Villa-Lobos é uma declaração de amor à pátria e se estende pelas serras e montanhas brasileiras. A milimetria, ou milimetrização, processo criado por ele, propõe-se a transformar o contorno das serras em linhas melódicas, ao relacionar frequência e duração rítmica.

A Sinfonia nº 6, “Sobre as linhas das montanhas”, escrita em 1944, é a composição que melhor representa essa técnica.  Ela utiliza três contornos: Pão de Açúcar, Rio de Janeiro; Serra da Piedade, Minas Gerais; e Serra dos Órgãos, Rio de Janeiro, anotados por Villa-Lobos em 1935, 1937 e 1940, respectivamente. A obra, dedicada à sua esposa Mindinha, foi estreada no Rio de Janeiro em 29 de abril de 1950 pela Orquestra do Theatro Municipal, conduzida pelo compositor.

Maestro Isaac Karabtchevsky   Filarmônica/Divulgação

Capricho Italiano  

Piotr Ilitch Tchaikovsky (Votkinsk, Rússia, 1840 -São Petersburgo, Rússia, 1893)

Tchaikovsky chegou a Roma em 1879 para visitar seu irmão Modest. Encantado com Roma, ele concebeu a ideia de escrever uma obra sobre temas italianos, o que de fato começou a fazer no início do ano seguinte.  Em menos de um mês a Fantasia Italiana, estava esboçada: “[a peça] terá um futuro promissor… graças às melodias encantadoras que encontrei em coleções ou que escutei nas ruas”.

A partitura, terminada em 24 de maio de 1880 e renomeada como Capriccio Italiano, tornou-se uma de suas mais conhecidas. A obra é uma coleção de temas folclóricos enriquecidos por uma orquestração exuberante, que refletem as impressões de Tchaikovsky da cultura e dos cenários da Itália.

Segunda Sinfonia de Brahms 

Johannes Brahms (Hamburgo, Alemanha, 1833 -Viena, Áustria, 1897)

O jovem Brahms estudou com profundidade Bach, Lassus e Palestrina. A mistura entre aspectos formais herdados da tradição clássica, particularmente de Beethoven, a canção popular alemã e a polifonia desses mestres antigos apresenta-se em sua música com cores e nuances originais.

A Segunda Sinfonia, escrita no verão de 1877, talvez seja a mais lírica e luminosa das quatro obras do gênero criadas pelo compositor. Visto como conservador por seus contemporâneos por suas influências em termos de composição Brahms passou a ser revalorizado no início do século XX, especialmente por sua liberdade rítmica e ousadia harmônica.

Isaac Karabtchevsky, regente convidado  

Um ícone da música clássica brasileira, o maestro Isaac Karabtchevsky, natural de São Paulo/SP, tem uma longa e renomada carreira em palcos nacionais e estrangeiros. Atuou durante 26 anos como regente da Orquestra Sinfônica Brasileira e depois como Diretor Artístico da Tonkünstler de Viena (1988-1994), do Teatro La Fenice de Veneza (1995-2001) e da Orchestre National des Pays de la Loire (2004-2010), tendo se apresentado em alguns dos principais palcos da Europa, Estados Unidos e América Latina.

Na capital mineira fundou o Madrigal Renascentista, coral com o qual executou, a pedido de Juscelino Kubitscheck, a Missa da Coroação, de Mozart, na inauguração de Brasília. A partir de 2004, Karabtchevsky assumiu a direção da Orquestra Petrobras Sinfônica. Em 2011 assumiu a direção artística do Instituto Baccarelli, instituição que promove a educação musical em regiões carentes de São Paulo. Entre 2011 e 2017, conduziu a Osesp na gravação integral das sinfonias de Villa-Lobos para o selo Naxos.

Serviço 

Filarmônica de Minas Gerais recebe o Maestro Isaac Karabtchevski

Data: 23  e 24 de agosto de 2018, às 20h30.

Local: Sala Minas Gerais. Rua Tenente Brito Melo, 1090, Bairro Preto, Belo Horizonte/MG

Funcionamento da bilheteria: terça-feira a sexta-feira: 12h às 20h. Sábados: 12h às 18h. Em quintas e sextas de concerto: 12h às 22h

Ingressos:  R$ 44 [Coro] R$ 50 [Balcão Palco] R$ 50 [Mezanino], R$ 68 [Balcão Lateral], R$ 92 [Plateia Central] e R$ 116 [Balcão Principal]. Os ingressos para o setor Coro serão comercializados somente após a venda dos demais setores. Meia-entrada para estudantes, maiores de 60 anos, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência, de acordo com a legislação.

Cartões aceitos: Amex, Aura, Redecard, Diners, Elo, Hipercard, Mastercard, Redeshop, Visa e Visa Electron.

Informações:  31 3219-9000 ou www.filarmonica.art.br