“Uma sinfonia deve ser como o mundo; precisa conter tudo.” Mahler expressou assim  sua filosofia como sinfonista e realizou esse pensamento ao criar a Terceira.

Na mais longa sinfonia, o compositor Gustav Mahler expressa em detalhes sua percepção sobre o mundo e o ser humano. E é com a Terceira Sinfonia de Mahler que a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais encerra sua Temporada 2018, nos dias 13 e 14 de dezembro de 2018.

Com regência do maestro Fabio Mechetti, a Orquestra se apresenta junto à mezzo-soprano Denise de Freitas, ao coro feminino do Concentus Musicum de Belo Horizonte, com regência de Iara Fricke Matte, e com o coro infantil Infantus, que tem regência de Ilcenara Klem.

Na série de palestras sobre obras, compositores e solistas, ntes das apresentações, o público poderá assistir aos comentários do percussionista da Filarmônica de Minas Gerais e curador dos Concertos Comentados, Werner Silveira.  Estes concertos são apresentados pelo Ministério da Cultura e Governo de Minas Gerais. O patrocínio é da Cemig por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Maestro Fabio Mechetti

 Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde sua criação, em 2008. Natural de São Paulo, Mechetti serviu recentemente como Regente Principal da Filarmônica da Malásia, tornando-se o primeiro regente brasileiro a ser titular de uma orquestra asiática.

Orquestra Filarmônica de Minas Gerais          Foto/Bruna Brandão  

Nos Estados Unidos, Mechetti esteve quatorze anos à frente da Orquestra Sinfônica de Jacksonville e, atualmente, é seu Regente Titular Emérito. Foi também Regente Titular das sinfônicas de Syracuse e de Spokane, da qual hoje é Regente Emérito. Regente associado de Mstislav Rostropovich na Orquestra Sinfônica Nacional de Washington, com ela dirigiu concertos no Kennedy Center e no Capitólio. Da Sinfônica de San Diego, foi Regente Residente. Fez sua estreia no Carnegie Hall de Nova York conduzindo a Sinfônica de Nova Jersey. Continua dirigindo inúmeras orquestras norte-americanas e é convidado frequente dos festivais de verão norte-americanos, entre eles os de Grant Park em Chicago e Chautauqua em Nova York.

Como regente de ópera, estreou nos Estados Unidos dirigindo a Ópera de Washington. As produções de Tosca, Turandot, Carmem, Don Giovanni, Così fan tutte, La Bohème, Madame Butterfly, O barbeiro de Sevilha, La Traviata e Otello são alguns destaques em seu repertório.

Suas apresentações se estendem ao Canadá, Costa Rica, Dinamarca, Escócia, Espanha, Finlândia, Itália, Japão, México, Nova Zelândia, Suécia e Venezuela. No Brasil, regeu todas as importantes orquestras brasileiras.

Fabio Mechetti é Mestre em Regência e em Composição pela Juilliard School de Nova York e vencedor do Concurso Internacional de Regência Nicolai Malko, da Dinamarca.

Denise de Freitas, mezzo-soprano

Ganhadora do Prêmio APCA 2017, Denise de Freitas possui uma das mais importantes e sólidas carreiras líricas do Brasil na atualidade. Além do rico repertório sinfônico, Denise tem grandes personagens para a voz de mezzo-soprano, destacando-se Carmem, Dalila de Sansão e Dalila, Laura de La Gioconda, Fenena de Nabucco, O Compositor em Ariadne auf Naxos, Fricka de A Valquíria e Siebel em Faust.

Mezzo-soprano Denise de Freitas             Foto/Bruna Brandão

Em 2017 interpretou grandes obras. Com a Filarmônica de Minas Gerais, cantou Il Tramonto de Respighi e El amor brujo de Falla, sob regência de Fabio Mechetti. Interpretou Carmem com a Filarmônica de Goiás e Neil Thomson. Na Sala São Paulo cantou a Nona de Beethoven com Marin Alsop, Herodíades em Salomé com Thomas Dausgaard e Sheherazade de Ravel com Markus Stenz.

Em Berlim, Paris e Lisboa cantou Yerma de Villa-Lobos. Apresentou o Stabat Mater de Dvorák com Helmut Hilling em turnê europeia. Na Ópera de Bogotá, esteve em As bodas de Fígaro, Os Contos de Hoffmann e O barbeiro de Sevilha.

Recebeu três vezes o Prêmio Carlos Gomes, além dos prêmios Bidu Sayão, Talentos da Rádio MEC e o Concurso de Interpretação da Canção Brasileira. Com o CD Lembrança de Amor foi premiada pela APCA. 

Concentus Musicum coral feminino

O Concentus Musicum de Belo Horizonte é um grupo misto, com formação vocal e instrumental variável, dedicado à interpretação e difusão de obras dos períodos Barroco, Clássico e Renascentista, bem como de um seleto repertório contemporâneo. Idealizado pela maestrina Iara Fricke Matte, fez sua estreia em dezembro de 2016, junto à Orquestra Filarmônica de Minas Gerais.

Infantus coral infantil, Pedro Leopoldo (MG)

O Coral Infantus de Pedro Leopoldo é formado por 24 cantores com idade entre nove e quatorze anos. Seu propósito é desenvolver o repertório sacro, erudito e popular para coros infantojuvenis. Idealizado pela maestrina Ilcenara Klem, vem participando ativamente da vida cultural da cidade, em concertos e festivais.

Serviço: 

Orquestra Filarmônica de Minas Gerais interpreta Mahler Sinfonia nº 3

Série Allegro: 13 de dezembro de 2018, quinta-feira, às 20h30

Série Vivace: 14 de dezembro de 2018, sexta-feira, às 20h30

Fabio Mechetti, regente.

Denise de Freitas, mezzo-soprano. Concentus Musicum de Belo Horizonte, coro feminino. Infantus, coro infantil.  Iara Fricke Matte, regente do coro. Ilcenara Klen, regente do coro infantil 

Local: Sala Minas Gerais. Rua Tenente Brito Melo, 1090, bairro Barro Preto, Belo Horizonte/MG

Ingressos:  R$44 [Coro] R$ 50 [Balcão Palco]. R$ 50 [Mezanino]. R$ 68 [Balcão Lateral], R$ 92 [Plateia Central] e R$ 116 [Balcão Principal]. Meia-entrada para estudantes, maiores de 60 anos, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência, de acordo com a legislação.  Cartões aceitos:  Amex, Aura, Redecard, Diners, Elo, Hipercard, Mastercard, Redeshop, Visa e Visa Electron.

Informações: 31 3219-9000        www.filarmonica.art.br