Machado de Assis (1839-1908), um dos maiores gênios da literatura brasileira, é inspiração para o musical infanto-juvenil “Contos partidos de amor” que  estreia no Centro Cultural Banco do Brasil, em Belo Horizonte, nesta sexta-feira, 5 de outubro, ficando em cartaz até  29 de outubro.

Com direção da coreógrafa carioca Duda Maia, dramaturgia de Eduardo Rios e trilha sonora original de Ricco Viana, o musical aborda, de forma poética e bem-humorada, os temas de amor e ciúme, com uma linguagem cheia de metáforas e belas construções machadianas.

Foto/Rai Júnior

“Nos apropriamos de alguns termos e contos de Machado de Assis, mas nos sentimos totalmente livres para modificar a história e contá-la do nosso jeito e voltada para os dias de hoje. É uma temática densa, mas tratada de uma maneira brincada e leve. A Duda usa como ponto de partida a corporeidade do ator sem se preocupar em criar figuras e personagens. Isso deixa a gente muito à vontade para construir uma linguagem escrita que também se baseia em perguntas e respostas e, principalmente, na brincadeira entre as palavras. Trabalhamos com um texto simples, mas com muita dinamicidade”, explica Eduardo.

Para a diretora Duda Maia, tratar de temas que façam parte do dia a dia das pessoas é uma forma de fazer com que o público se reconheça e o espetáculo não acabe na cadeira do teatro. “Na maioria das vezes o ciúme não traz boas lembranças, portanto explorá-lo num contexto mais lúdico me pareceu um bom caminho para levantar discussões necessárias”, acrescenta.

Foto/Rai Júnior

“Contos partidos de amor” estreou no CCBB Rio de Janeiro e depois seguiu turnê pelas unidades de São Paulo e Brasília. Para a temporada em Belo Horizonte a expectativa da diretora é lotar o teatro em todas as apresentações. “Tenho um carinho especial pela cidade e pelas pessoas. Agradeço ao CCBB por mais essa oportunidade e torço para que nosso espetáculo traga boas histórias e ótimas reflexões para quem assistir. Garanto que é um trabalho divertido, de qualidade e para toda a família”, destaca a diretora. 

Foto/Rai Júnior

Elenco: O elenco é formado por quatro atores, cantores e músicos: Diego de Abreu, Isadora Medella, Luciana Balby e Tiago Herz. Durante o processo de criação da montagem, os atores participaram levando colaborações para as histórias de amor e ciúme que compõem a peça.

Trilha sonora: Assinada por Ricco Viana, a trilha sonora original permeia todo o espetáculo, ora instrumental, ora  com músicas cantadas e tocadas ao vivo pelos próprios atores. Entre as canções, uma inspirada no poema “O Verme”, no qual Machado de Assis descreve o ciúme como “um verme asqueroso e feio”, publicado em 1870, no livro de poesias “Falenas”.

Foto/Raí Júnior

Figurino: Criado por Kika Lopes (responsável pelos figurinos de “AUÊ”, musical premiado e dirigido também por Duda Maia), o figurino apresenta peças inspiradas na roupa íntima do século XIX, mas confeccionadas com tecidos modernos, como a malha, permitindo uma movimentação mais fluída do elenco durante o espetáculo.

Cenário: O cenário-instalação do ator e escultor Diogo Monteiro evoca, ao mesmo tempo a leveza do amor e a sensação retorcida e amassada do ciúme, trazendo para a cena um clima onírico. A instalação é formada por cerca de 16 balões infláveis revestidos de tule e com fuxicos em tons de vermelho e vinho aplicados por cima.

Duda Maia, diretora: Formada pela Escola de Dança Angel Vianna, onde lecionou dança contemporânea por 13 anos. Foi professora de corpo do Curso Profissionalizante de Atores da CAL (1998-2008). De 1996 a 2006. Foi diretora e coreógrafa da Trupe do Passo. Trabalhou como diretora de movimento com os diretores: André Paes Leme, João Falcão, Daniel Herz, Karen Acioly, Mauro Mendonça Filho, Aderbal Freire-Filho, Dudu Sandroni, Bruno Garcia, Michel Bercovitch, Fábio Ferreira, Guel Arraes, Miguel Vellinho, Marcelo Morato, João das Neves, Paulo José, Vera Fajardo, Paulo de Moraes e Ivan Sugahara.

Foto/Raí Júnior

Entre 2012 e 2014, recebeu o prêmio Zilka Sallaberry de Melhor Direção, ao lado de Lucio Mauro Filho, com o infantil “Uma peça como eu gosto”. Dirigiu “Clementina, cadê você?”, musical inspirado na vida de Clementina de Jesus; e “A dona da história”, de João Falcão. Fez a direção de movimento de “Fala comigo como a chuva e me deixa ouvir” e “Beija-me como nos livros”, de Ivan Sugahara.

Dirigiu o musical “AUÊ”, do grupo Barca dos Corações Partidos. Sucesso de público e de crítica, “AUÊ” recebeu importantes prêmios de artes cênicas como Shell [Melhor Direção], Cesgranrio [Melhor Direção, Melhor Direção Musical e o Melhor Espetáculo], Botequim Cultural [cinco categorias, incluindo Melhor Direção e Melhor Espetáculo] e APTR [Direção Musical, Melhor Espetáculo e Produção].  A peça foi indicada ao Prêmio APCA de Melhor Direção. Duda Maia foi indicada aos prêmios Bibi Ferreira e Prêmio Reverência de Teatro Musical, na categoria Melhor Direção. É diretora do show “Farra dos Brinquedos”, banda com músicas originais e ritmos brasileiros para crianças.

Foto/Raí Júnior

Em 2016, dirigiu o musical “A Gaiola”, vencedor dos principais prêmios de teatro infanto-juvenil, incluindo Melhor Espetáculo e Melhor Direção: sete categorias no Prêmio CBTIJ; cinco categorias no Prêmio Botequim Cultural e três categorias no Prêmio Zilka Sallaberry. Duda dirigiu neste ano, “O tempo não dá tempo”, espetáculo itinerante em homenagem aos 90 anos de Angel Vianna, no OI Futuro Flamengo e Itaú Cultural. Atualmente está à frente do musical ELZA, em homenagem à cantora Elza Soares.

Foto/Rai Júnior

Ficha técnica: Texto: Eduardo Rios. Direção e roteiro: Duda Maia. Diretora assistente: Leticia Medella. Intérpretes-criadores: Diego de Abreu, Isadora Medella, Luciana Balby e Tiago Herz. Trilha sonora original: Ricco Viana. Preparação vocal: Agnes Moço. Figurino: Kika Lopes. Cenário: Diogo Monteiro. Iluminação: Renato Machado. Identidade visual: Anna Cunha. Fotografia: Rai Junior. Direção de produção: Bruno Mariozz. Produção: Palavra Z produções culturais.

Serviço:

Musical “Contos Partidos de Amor”

Temporada:  5 a 29 de outubro de outubro de 2018

Local: CCBB BH.  Praça da Liberdade, 450, Funcionários, Belo Horizonte/MG

Dias e horários: segundas e sextas-feiras: 19 h. Sábados e domingos: 19 horas. Dia 12 de outubro. Ingressos: R$30 [inteira] e R$15 [meia para clientes e funcionários do BB, estudantes e maiores de 60 anos]. Bilheteria: quarta a segunda das 9 às 21 horas. Ingressos online:  www.eventim.com.br  

Dia 12 de outubro, Dia das Crianças, haverá duas sessões gratuitas, uma às 16 e outra às 19 horas.

Recomendação etária: 6 anos. Duração: 60min.  Classificação indicativa: livre.   Mais informações:  31  3431-9400   www.bb.com.br/cultura