Belo Horizonte recebe, pela primeira vez, a Mostra In-Edit Brasil – 10 anos. Trata-se de um recorte do In-Edit Brasil, primeiro festival brasileiro dedicado ao gênero do documentário musical, que é realizado desde 2009, em São Paulo. A curadoria é de Marcelo Aliche, diretor artístico do evento desde a sua primeira edição .

A Mostra exibirá uma seleção especial com 11 filmes brasileiros que foram destaque em uma década de história do Festival. A Mostra, em cartaz no Sesc Palladium, de 14 a 23 de setembro, traz os vencedores do prêmio do júri e do público.

O filme que faz a abertura e que será exibido também no dia 23/09, é  “Fevereiros”, de Marcio Debellian, vencedor do prêmio do júri da edição 2018 e ainda inédito no circuito comercial.

“Fevereiros”, de Marcio Debellian faz a abertura da Mostra  In-Edit em Belo Horizonte, com exibição também no dia 23 de setembro      Foto/Divulgação

Outros filmes inéditos no circuito e que estarão em cartaz na Mostra são “Dê Lembranças a Todos”, sobre Dorival Caymmi, menção honrosa na edição 2018; e “Eu Meu Pai e Os Cariocas”, de Lúcia Veríssimo, vencedor do júri na edição 2017. Outro destaque, inédito em Belo Horizonte, é o filme “O Piano que Conversa”, de Marcelo Machado, prêmio do público em 2017.

In- Edit Brasil

Com origem em Barcelona, o In-Edit chegou ao Brasil, em 2009. Desde então, foram realizadas 10 edições em São Paulo, com passagens pelo Rio de Janeiro e Salvador, chegando agora em  Belo Horizonte.

A cada ano, são exibidos, em São Paulo, cerca de 60 filmes, nacionais e estrangeiros, inéditos no circuito comercial do país, além de retrospectivas e mostras especiais. Palestras, debates, encontros de negócios e apresentações musicais ligadas aos filmes em exibição completam a programação das edições.

Em 2016, o Festival recebeu o APCA, prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte, como destaque na área de música. No mesmo ano, ganhou o prêmio do Guia da Folha, reconhecido como melhor Festival/Mostra de Cinema do ano, na opinião do leitor. Em 2018, na 10ª edição paulistana, realizada de 7 a 17 de junho, o público do evento superou 15 mil espectadores.

Ao longo dessas 10 edições, nomes importantes do cinema e da música passaram pelo festival, como Albert Maysles, Nelson Pereira dos Santos, Georges Gachot, João Donato, Lírio Ferreira, Lou Barlow, Marcelo Machado, Benjamim Taubkin, Zuza Homem de Melo, Guinga, Eduardo Escorel, entre outros.

Todos os anos, o filme brasileiro de maior destaque na competição ingressa no circuito In-Edit de festivais pelo mundo, levando a cultura brasileira a países como Grécia, Chile, Colômbia, México e Espanha.

Serviço:

Mostra In-Edit 10 anos  11 Filme selecionados 

Data: 14 a 23 de setembro de 2018. Local: Sesc Palladium. Rua Rio de Janeiro, 1046, Centro, Belo Horizonte/MG.  Ingressos: gratuitos com retirada 30 minutos antes de cada sessão  na bilheteria, de terça-feira a domingo, das 9h às 21h.   Informações: 31 3270-8100

Sinopses e horários de exibição no Sesc Palladium:

Fevereiros   –Márcio Debellian, Brasil, 2017, 74′:  A relação entre Maria Bethânia e o carnaval é notória. Desde sua infância, em Santo Amaro da Purificação (BA), a cantora sempre cultuou essa festa, que marcou sua formação. Em 2016, a escola de samba Estação Primeira de Mangueira rendeu-lhe uma grande homenagem e acabou ganhando o título, após um jejum de 13 anos.

Maria Bethânia         Foto/Divulgação

Nesse processo, Bethânia recorda suas primeiras festas e também a importância da espiritualidade em sua vida. 14/09, sexta-feira e 23/09, domingo, às 19h30.

L.A.P.A. –Emílio Domingos e Cavi Borges, Brasil, 2008, 75’: Quem mora no Rio de Janeiro e gosta de hip hop, tem endereço certo: a Lapa. Um bairro tradicional que passou da mais absoluta decadência a ponto de referência da música carioca.

MCs, DJs, B-Boys, grafiteiros, produtores e fãs se reúnem para criar e compartilhar a cultura de rua. “L.A.P.A.” mostra os personagens mais destacados de um coletivo em constante movimento. 16/09, domingo e 20/09, quinta-feira, às 17h30

Filhos de João – O admirável mundo novo baiano  –Henrique Dantas, Brasil, 2009, 75´:  Horas e horas de música com pausas para históricas peladas. Assim viviam os Novos Baianos no Cantinho do Vovô, a comunidade onde moravam em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, durante os anos de chumbo. Nessa época, os jovens músicos já conheciam João Gilberto e, aconselhados por ele, começavam a tocar sambas de compositores como Assis Valente e os mestres do choro, mas sem esquecer suas referências roqueiras.

“Filhos de João”, Henrique Dantas, 2009         Foto/Divulgação

Este documentário conta a história desta convivência. 16/09, domingo, às 15h30.  21/09, sexta-feira, às 17h30

Gretchen Filme Estrada –Eliane Brum, Paschoal Samora, Brasil, 2010, 90´:  No ano de 2008, Gretchen dividiu seu rebolado entre o picadeiro e o palanque. A cantora e dançarina percorreu vilarejos do Nordeste ganhando a vida como artista nos circos locais e fazendo barulho em sua campanha para prefeita da Ilha de Itamaracá – PE. De circo em circo, o filme registra as experiências da artista para enfrentar seus adversários políticos e seu novo público, o eleitorado. 18/09, terça-feira, 17h30.  22/09, sábado, às 17h30

 Vou Rifar Meu Coração  -Ana Rieper, Brasil, 2011, 78′:  “Eu vou rifar meu coração”, “me suja de carmim, me põe na boca o mel” são trechos de canções que pertencem a um estilo de música romântica conhecido no Brasil como brega. Odair, Amado, Waldick, Lindomar, Wando fazem música para os personagens reais deste documentário. Para esses músicos, o amor não vê cor, classe, opção sexual, nem diploma. O filme capta histórias de amor reais na intimidade e trata a música brega como legítima expressão do imaginário popular brasileiro. 19/09, quarta-feira, às 17h30.  22/09, sábado, às 15h30

Olho Nu  –Joel Pizzini, Brasil, 2013, 101’:  Ney Matogrosso encanta o Brasil e o mundo há mais de quatro décadas. Sua poderosa interpretação musical deixou uma marca no imaginário brasileiro.

“Olho Nu”, Joel Pizzini, 2013     Foto/Divulgação

Neste filme, Ney, aos 70 anos, revê sua vida pessoal e também sua carreira no sentido mais amplo. Para ilustrar, mais de 300 horas de material do arquivo pessoal do artista, formam o retrato de um Ney que nunca precisou provar nada pra ninguém, e que hoje se sente profundamente recompensado por isso. 15/09, sábado, às 15h30.  21/09, sexta-feira às 19h30

A Farra do Circo  –Roberto Berliner e Pedro Bronz, Brasil, 2013, 97′:  Roberto Berliner resgatou o material que filmou sobre o Circo Voador, desde a colocação da lona no calçadão do Arpoador até a viagem para a Copa do México, em 1986. Liderado por Prefeito Fortuna, o Circo foi plataforma de lançamento para toda uma geração que veio anos mais tarde escrever seu nome entre os grandes da música brasileira. Utilizando apenas imagens da época, o filme surpreende com um discurso vivo e atual. Cenas com Barão Vermelho, Caetano Veloso e o grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone, entre outros, são um presente para os olhos e ouvidos. Uma lição de ativismo, divertida e necessária, ontem, hoje e sempre. 16/09, domingo às 19h30.  23/9, sexta-feira, às 17h30

Waiting for B. Paulo Cesar Toledo, Abigail Spindel Brazil, 2015, 71′:  Quando o assunto é a espera por um grande show, a expectativa dos fãs não tem limites. Em 2013, dezenas de pessoas acamparam em frente ao estádio do Morumbi durante dois meses para ver Beyoncé. Usando barracas e um sistema de rodízio para dormir no local e garantir o lugar mais próximo do palco, jovens montaram guarda até o tão sonhado dia.

Os diretores Paulo César Toledo e Abigail Spindel acompanharam essa espera e as relações desse grupo aparentemente tão homogêneo, que enfrentou meses, dias, horas, chuva, vizinhos e torcedores do estádio onde foi realizado o show, e a incredulidade de todos. 19/09, quarta-feira, às 19h30.  22/9, sábado, às 19h30

Eu, Meu, Pai e Os Cariocas  –Lúcia Veríssimo, Brasil, 2017, 112′ :Os Cariocas são uma marca na história da música brasileira. Iniciado em 1946 o grupo esteve em atividade até 2016. Tudo graças ao maestro Severino Filho, músico extraordinário. Idealizado, dirigido e narrado pela atriz Lúcia Veríssimo, filha do maestro, o filme não é apenas uma homenagem ao pai, mas também um minucioso retrato sociopolítico e musical deste período.

“Eu, Meu Pai e Os Cariocas”, Lúcia Veríssimo, 2017    Foto/Divulgação

Com um material de arquivo riquíssimo e depoimentos de grandes nomes da música brasileira, Lúcia nos mostra uma produção musical que é parte do inconsciente coletivo brasileiro. 15/9, sábado, às 19h30.  20/09, quinta-feira, às 19h30

O Piano que Conversa  Marcelo Machado, Brasil, 2017, 78’:  O diretor Marcelo Machado nos convida para uma viagem com o pianista Benjamin Taubkin. Nela, o personagem principal é o piano, que aparece em vários lugares do Brasil e do mundo, como Bolívia e Coréia do Sul. Neste encontro, o piano interage com diferentes músicos e culturas, criando ambientes sonoros de grande beleza. Enquanto isso, o olhar atento e apurado do diretor revela a intensidade e os detalhes de cada momento.

“O Piano que Conversa”, Marcelo Machado,2017       Foto/Divulgação

Um diálogo entre a música e o cinema em que tudo fica dito sem que nenhuma palavra seja mencionada. 18/09, terça-feira, às 19h30, com a presença do pianista Benjamim Taubkin.  23/09, domingo, às 15h30.   19/09, quarta-feira, às 20h, aula show no Teatro de Bolso:  Benjamin Taubkin e convidados: Paulo Santos [Uakti], Nelson Soares e Marcos Moreira [O Grivo].

 Dê Lembranças a Todos  –Irmãos Di Fiori, Brasil, 2018, 73′:  Dorival Caymmi – junto com Jorge Amado – foi um dos inventores do imaginário baiano. Suas músicas, repletas de referências ao mar e a pessoas de sua terra, cativaram o público pela simplicidade e beleza e o transformaram num personagem mitológico.

“Dê Lembranças a Todos”, Irmãos de Fiori, 2018        Foto/Divulgação

Em seus 94 anos de vida, Caymmi compôs, cantou, escreveu, ilustrou e pensou sua Bahia, mesmo longe dela. Seus familiares, parceiros, amigos e fãs relembram os detalhes de sua história, que o transformou em um dos pilares da cultura brasileira. 15/09, sábado, às 17h30.  21/09, sexta-feira, às 15h30