Entre os dias 30 de março e 1ºde abril, com a presença de várias autoridades, Belo Horizonte sedia o 37º Congresso Brasileiro de Cirurgia da Mão. Realizado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão, o Congresso tem o objetivo de ampliar os conhecimentos dos profissionais  por meio de palestras e mesas redondas.

A cirurgia da mão é a especialidade médica responsável pela prevenção, diagnóstico e tratamento das patologias das mãos e dos membros superiores. As mãos são membros do corpo essenciais para o desenvolvimento de inúmeras atividades e, no caso de acidentes, se elas não receberem um atendimento especializado, podem sofrer sequelas por toda vida.DSC_0516

Da esquerda para a direita: presidente da SBOT, Regional Minas Gerais, Robson Santos Filho;  presidente da Comissão Científica do Congresso, Paulo Randal Pires, secretário municipal de Saúde de Belo Horizonte, Jackson Machado Pinto; presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão, Carlos Henrique Fernandes;  presidente do 37º CBCM,  Pedro José Pires Neto; secretário de Atenção à Saúde do MS, Francisco de Assis Figueiredo; vice presidente da Associação Médica Brasileira, Lincon Lopes Pereira; Ivan Chakkour, representando a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT e o presidente do congresso, Arlindo Gomes Pardini Júnior     Foto/Torch Cobertura Fotográfica

Por este motivo, o cirurgião da mão é um profissional fundamental para manter a saúde da população. No Brasil, o número de profissionais é insuficiente em relação ao número de habitantes. Segundo um estudo realizado na Inglaterra, o ideal é que haja 1 cirurgião da mão a cada 125 mil habitantes. No Brasil, há apenas 585 profissionais, sendo que a maior parte deles, 385, encontra-se na região Sudeste.  A região Sul tem 108 profissionais, já a região Nordeste tem 78 cirurgiões. Na região Centro-Oeste há 35 e na região Norte, 19 profissionais.

O motivo do déficit de profissionais está no fato de que o cirurgião da mão é um profissional altamente especializado e, por isso, a formação dele demora de 11 a 13 anos. São 6 anos de medicina, mais 3 anos de residência em ortopedia e traumatologia ou 2 anos de cirurgia geral, mais 3 anos de cirurgia plástica e finalmente 2 anos de cirurgia da mão. Além disso, o profissional deve estar sempre atualizado em relação aos novos procedimentos e tratamentos.

Durante o Congresso, os cirurgiões participam de um curso sobre Walant, técnica que permite um campo cirúrgico sem sangramento, possibilidade de troca de informações com o paciente durante o procedimento, redução de material de descarte e redução de custos, além de melhora da segurança.

O Congresso conta com a presença de renomados palestrantes nacionais e internacionais. Para mais informações, acesse: http://www.mao2017.com.br/

Compartilhe… Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone